“Dexter” If I Had a Hammer 2009 Portuguese-BR Português

Posted by on May 28, 2012

movie image

Descarregar da legenda “Dexter” If I Had a Hammer 2009 Portuguese-BR Português

Anteriormente, em Dexter.
Deb está viva,
está indo para o hospital.
– Quem fez isso?
– Parece com o assassino das férias.
– Aquele é?
– Lundy.
Lundy dedicou sua vida
para achar Trinity.
Se foi Trinity, dá pra explicar
porque Deb está viva e Lundy não.
Seguirei a teoria do Lundy e checarei
o quarto do hotel por pistas.
Não pode deixar isso ser
arquivado como evidência.
Acabei de abrir os registros
de Johnny Rose,
suspeito dos
assassinatos das férias.
Roubando com sua namorada
no colegial, Nikki Wald.
Nikki!
Ponha a arma no chão!
– Nós os pegamos, Morgan.
– Quem?
Nikki Wald e Johnny Rose,
mas Rose está indo pro necrotério.
Não podemos arriscar que a defesa
use seu relacionamento
contra nós toda vez que
trabalharem juntos.
– O que está dizendo?
– Que transfira o Sargento Batista.
Isso é besteira.
Teria vindo antes, mas fiquei
presa em uma ligação.
Seu senhorio ligou.
Eu só estava segurando o lugar
até o contrato acabar.
Por que me contou
que já tinha se livrado dele?
Então não teve
um caso com meu pai?
Não sei quem você procura,
querida, mas não sou eu.
Estou na metade dos arquivos
que me deu,
e estou perto
de conseguir respostas.
– Posso ajudar?
– Estou no meio de um projeto.
Eu iria com o
martelo de construção.
Você me fez fazer isso.
O que está fazendo?
Ele não pertence aqui,
não faz sentido.
Trinity é um marido.
Um pai.
Ele é…
Como eu.
crS, botafoguense, Finovsk,
vicodintrip, TwT,
LittleTM, Cristian, Norbs,
tielicn e Tata.
“O trabalho poupa-nos
de três grandes males:
tédio, vício e necessidade.”
Voltaire- 1694-1778
Filósofo e escritor francês.
Legenda comemorativa
dos 3 anos da Equipe =)
Luizim, feliz aniversário! hug*
Ressync para o DVDRip:
SO4EO6
If I Had A Hammer
Um lobo em
pele de cordeiro.
A cada hora, a projeção da
imagem de um homem normal.
Acordar às 6 da manhã.
Café da manhã: 7.
Trabalho: 8:30.
Grupo de estudo, moldando
jovens mentes, mesmo no sábado.
Almoço às 12 com os professores.
Sai às 3. Jantar às 6.
Pai, marido,
professor e diácono.
Tudo em nome da camuflagem.
Camuflagem é um dos truques
mais astutos da natureza.
Isso é o que faz um lar:
O barulho das crianças felizes.
O calor de uma casa cheia.
E o gelo da esposa brava.
É o último?
Só mais umas coisas
para empacotar.
Não que você esteja com pressa.
Ah, isso é pras crianças.
Se estiver com fome,
tem comida na geladeira.
Eu poderia querer
um sanduíche.
Não temos pão.
Ela deve me perdoar alguma hora
pelo apartamento, não é?
Talvez eu deva esperar
por isso, certo?
Marquei uma consulta
com o novo terapeuta pra amanhã.
– Novo terapeuta?
– É uma emergência Dexter. Não acha?
Não, claro!
Digo, o que você precisar.
Isso não é pra mim,
é para nós.
E isso não fica aqui.
Pode me dar uma
carona até o trabalho?
Batista vai interrogar
Nikki Wald hoje de novo.
Ela confessou tudo, exceto a parte
de atirar em mim e no Lundy.
Pois não foi ela.
Foi o Trinity.
Mas não posso contar pra Deb,
preciso manter vantagem.
Morgan.
Sim, eu sei onde é, obrigado.
Tenho que ir.
Sangue no centro.
A última vítima do Trinity.
Bem na hora.
Ocean Gate 100?
Sim, como sabe disso?
Porque é onde Lundy
achou que seria.
Poderíamos ter parado se Nikki e o
namorado não tivessem atirado em nós.
Deb, ficará tudo bem.
Vou matar o Trinity pra você.
Pode me dar uma carona
pra delegacia, por favor?
Sim, te deixo lá no caminho
pro centro, vamos.
A última vítima do ciclo dos três.
Trinity acabou o trabalho.
Por enquanto.
Ele irá recuar para o
conforto da sua camuflagem.
Sua defesa estará baixa.
Hora perfeita pra atacar.
Só tenho que ficar
à frente dos meus colegas.
Dois dias decompondo.
O corpo está aqui desde sexta.
O prédio ficou fechado pro
final de semana, ninguém viu.
O que o espalhamento diz?
Grande trauma na cabeça.
Julgando pelo sangue,
foi alguém alto. 1,90m.
É tudo que você tem?
É tudo que eu
posso dizer.
Ele mexeu o braço
por algum motivo.
Não posso deixar isso pra trás.
Pode deixá-los mais perto.
– Me dá isso.
– Tudo bem, eu peguei.
Ganancioso. Você tem litros
de sangue para se preocupar.
Está vendo a
marca oval ali?
Vem de um
martelo de construção.
Vou testar alguns depois.
Ver se consigo identificar qual.
Como sabe tanto
sobre martelos?
Não é uma ferramenta que
nunca brinquei com ela, amigo.
O agente do FBI, ele foi morto
em um hotel executivo.
– Mas estava tão chapada…
– Não, não. Nunca apaguei.
Mentira, sua puta drogada!
– Quinn?
– Não devia estar aqui, Morgan.
– Ver isso só vai te fazer mal.
– Eu já estou mal.
Olha, Nikki já está longe,
ela confessou os homicídios
das férias e de Johnny Rose.
Mas não o de Lundy.
Sabemos que ela está mentindo.
Mas não temos prova.
Nenhuma evidência, nenhuma
testemunha. Então que seja assim.
Porra.
Porra!
Pressionei Nikki Wald
de todos os jeitos,
mas ela continua
escondendo algo.
Brass quer que ela seja
transferida para o município.
– está nas mãos dele.
– Merda.
Não quero deixar os homicídios,
com o caso da Deb e Lundy em aberto.
Está nas mãos
dele também.
Ainda não disse à ninguém
sobre minha transferência.
Não é preciso
até ser oficial.
– Ainda nem devolvi os papéis.
– É isso aí?
Não, isto é um homicídio.
– De hoje?
– Desta manhã.
Não havia porquê Ihe envolver
em um novo caso.
Sangrento.
Nojento.
Tem alguma pista?
Se soubesse que
seria transferido…
Maria, não.
Contar à Matthews sobre nós
foi a coisa certa a se fazer.
Trabalhar no escritório
será bom para mim.
Aumento de 15%, promoção
à tenente, menos trabalho.
E as chances de levar um tiro serão
poucas, ficando atrás de uma mesa.
Você odeia trabalhar
atrás de uma mesa.
Mas amo estar com você.
Fico muito confortável com fluidos
corporais, sangue, lágrimas.
Mas com as emoções
que as acompanham…
nem tanto.
Dexter, está ouvindo
o que Rita está dizendo?
Ela está magoada.
Sobre o apartamento.
O apartamento não é
o verdadeiro problema agora.
Não é?
Vê? É como se ele nem
estivesse me ouvindo.
Fica tudo em sua cabeça.
Quando fala, são sempre mentiras.
Nem…
sempre.
Achei que tínhamos passado por isso.
As drogas, Lila.
Quem é Lila?
– Minha madrinha.
– Uma puta com quem ele transava.
Agora, o casamento.
Temos um filho juntos.
E você continua
guardando segredos.
Rita, entendo
que está magoada.
Mas como descreveu,
não é um comportamento novo dele.
O que quer dizer?
É como se já sabia disso,
quando se casou.
Esperava que ele mudasse.
Quando se casou com seu ex-marido,
achou que ele mudaria também?
Tudo bem.
Também sou responsável por isso.
– Não quero repetir os mesmos erros.
– Nem eu.
Vamos resolver.
Sempre resolvemos.
Preciso de um parceiro, Dexter.
Alguém em quem
eu possa confiar.
A não ser que seja completamente
honesto comigo,
não quero
continuar com isso.
Estou fazendo tudo que posso
para salvar minha família.
Mas continuo falhando.
Rita está imaginando
sua vida sem mim.
Mas eu…
Não consigo imaginar a minha
sem ela ou as crianças.
Harrison…
É esse o martelo?
Esse é muito superficial.
A arma do crime era mais pesada.
Escreva isso, Dexter.
Precisamos do número do modelo.
Talvez possamos rastrear
até a loja ou site.
Vou tentar o de 22.
O que houve?
DNA de quem?
Vítimas?
– Assassinos?
– Espere um pouco.
Certo.
A sujeira que achou
na cena do crime…
São restos humanos cremados.
Aquele fragmento era
um pedaçinho de osso.
E, graças as maravilhas
da tecnologia e conhecimento…
– Você hidratou e…?
– Cara, disse para esperar.
E achei duas cadeias de DNA.
Uma do fragmento
e uma de saliva.
– A saliva de quem?
– A do assassino.
Vamos lá, amigão.
Tente acompanhar.
Como acha que ele conseguiu
que as cinzas ficassem na parede?
Temos o maldito DNA
do assassino?
– Tem que admitir, sou foda, né?
– É. Sua tarefa de hoje:
Procure em todos os bancos
de dados que existe.
Vamos achar esse cara.
Não, não irão.
Arthur Mitchell não está
no banco de dados da Polícia.
Já chequei,
e ele está limpo.
Ele esconde o “eu” real dele.
A não ser por aquelas cinzas.
Só podia ser honesto
com os mortos.
Morgan.
Preciso do arquivo do assassino
das férias de volta.
– Tenho que terminar o relatório.
– Me dê mais 1 hora.
Deve ter algo que ponha
a Nikki no hotel do Lundy.
Morgan.
Já cuidamos disso.
E não devia estar trabalhando.
Está doente.
Vá para casa.
Te manterei informada, certo?
Uma mensagem
não ouvida.
Oi, estou ligando
para Debra Morgan.
Aqui é Valerie Hodgins, retornando
sua ligação de semanas atrás.
Desculpe ter demorado
tanto para retornar.
Você disse que era
filha do Harry Morgan
e eu não sabia o que fazer.
Pensei em ligar e ser direta,
se quiser saber a verdade…
Falei para parar de trabalhar.
Não era trabalho.
Era muito pessoal.
Fala sério. Para você?
É a mesma coisa.
Ela quer um parceiro.
Um que possa se abrir.
Certo, vou compartilhar.
Sobre o quê?
Sobre trabalho.
Espalhamento de sangue?
Não.
Algo pessoal.
Trinity.
Não, muito pessoal.
Comida?
Estou com fome, posso falar isso.
Precisa comprar pão de novo.
Eu… vou comprar.
Arthur escondeu isso por o quê?
28 anos?
Minha família talvez
não dure 20 minutos.
Zelo, intimidade.
Ele é convincente.
Mas para que o show?
Sou o único assistindo.
A não ser…
Que seja mais
que camuflagem.
É afeição verdadeira.
Mantida por anos.
Mas ele é como eu,
como faz isso?
Vou matá-lo.
Eu preciso.
Mas no momento,
preciso salvar a minha família.
O ciclo acabou.
Vai demorar até que
ele ataque de novo.
Então ele não é
uma ameaça imediata.
E tenho tanto a aprender.
Arthur Mitchell.
Kyle Buttler.
Quatro paredes, um coração.
Construímos casas para desabrigados.
Nos encontramos em minha casa
e vamos para o local,
meu endereço está no panfleto.
Obrigado. Ando procurando
uma maneira de me envolver mais.
O que te traz para a
Sociedade Sagrada, Kyle?
Estou procurando algo…
Respostas.
Minha esposa
e eu nos separamos.
Ela me expulsou de casa.
Pegou as crianças.
Não tenho
outro lugar para ir.
Veio ao lugar certo, filho.
Acabei de receber
um email do meu editor.
Algo bom?
Ele quer mais sobre
os assassinatos das férias.
Não estou pedindo por um furo.
Bom, porque sabemos como
funcionou na última vez.
O quê?
Se pudesse só me ajudar
a entrevistar Debra Morgan.
– Deve estar brincando comigo.
– Seria uma matéria heróica.
– Sobre os tiros.
– Não. Sem chance.
Ela é a sua parceira.
É. Some isso o fato do irmão
dela ter algo contra mim.
Digamos que prefiro
não me meter.
Desde quando?
Isso nunca me impediu
de conseguir o que eu quero.
Pode ser da delegacia.
– Quinn.
– Olhe pela janela.
Volto em um segundo, certo?
Quero ser uma testemunha ocular
do tiroteio.
Pensei que não tivesse
visto nada.
Eu estava em choque.
– Minha memória estava confusa.
– Agora está nítida?
Não tenho dúvidas
que Nikki atirou em nós.
Nem eu.
Está falando
sobre testemunhar?
O que acontece depois se você
decidir que ainda está confusa?
– Não farei isso.
– Tem certeza?
Porque se isso voltar para te
atormentar, está ferrada.
Meu pai dizia que um bom policial
faz de tudo para encerrar um caso.
Outros policiais,
não você.
Apenas pense a respeito, certo?
Odiaria tomar uma decisão
enquanto sua cabeça está confusa.
Eles estão caçando fantasmas.
Impossível eles acharem
uma combinação
com o DNA do Trinity.
Ele está bem escondido.
Eu poderia estar ajudando,
encontrando o martelo
que ele usou.
Ou poderia ajudar
alguém que precisa.
Eu.
Relatório preliminar do sangue
no espancamento.
Achamos um martelo específico
como arma?
Estou reduzindo o número.
Eu te aviso.
Na verdade, estou indo fazer
pesquisa de campo.
E você, Vince?
Conseguiu algo naquele DNA?
Nenhuma combinação
no banco de dados criminais.
Espere.
Você perderá a grande revelação.
Porque eu sou eu, e acontece
que eu penso fora da caixa.
– E também sou um excelente…
– Masuka.
Comparei os restos humanos
com a saliva.
E adivinhe o que descobri?
Uma combinação de
DNA mitocondrial.
Inglês, por favor.
O assassino é parente
dos restos humanos.
Mesma família.
Ele deixa sua família junto
todo o tempo.
E eles vão
visitá-lo na prisão?
Porque isso vai fazer
ele ser pego.
– Talvez ele queira isso.
– Ou está mandando um recado.
Ou está tentando deixar
algum tipo de legado.
Por que não está trabalhando
nesse caso?
Estou ocupado.
Tenho que
terminar um relatório.
Sua família o mantém seguro,
mas essas cinzas o expõe.
Talvez seja assim
que chegarei até a verdade.
A arma do crime.
Ele está usando a céu aberto
para que todos possam ver.
Não é algo que eu faria.
Mas Arthur tem ferramentas
que eu não tenho.
Fico feliz que você veio…
Kyle Butler.
– Se lembra do meu nome.
– Sou como um elefante.
Nunca esqueço.
Não teve ferramentas
para trazer?
– Perdi elas na mudança.
– Aqui…
Pegue meu martelo.
Cuide bem dele.
Nós passamos por
muita coisa juntos.
Foi o que vi.
– Bem gentil da sua parte, Arthur.
– Sim…
Generosidade de espírito, Kyle.
– É por isso que estamos aqui.
– Nem todos nós…
Venha, vou te alocar.
Está bem.
Martelo de aço Grant,
680 gramas, modelo 514.
LaGuerta ficará contente.
Apenas bata nessas 3.
Já estão marcadas.
Mas tenho perguntas
mais importantes.
Você e sua família
fazem isso há muito tempo?
Sim, faz anos.
Levei Sally em uma obra
no nosso primeiro encontro.
E as crianças vêm desde quando
conseguiram segurar um martelo.
Vocês parecem bem…
Unidos.
Felizes.
Nós somos.
Que inveja…
Você é o filho do Arthur, né?
Eu sou o Kyle.
Ah, Jonah.
Prazer te conhecer.
Parece educado,
equilibrado…
– Como vai?
– Está calor.
Legal você estar aqui.
Deve ter outras maneiras
que você queira passar a tarde.
Não, está legal. Mamãe e papai
fazem questão do tempo familiar.
É bom. Para muitos jovens,
tempo familiar é tempo para brigar.
O meu não.
– Nunca?
– Não tem muito por que brigar.
Meus pais são legais.
É, seu pai parece ser
um cara especial.
Sim, ele é…
Devo ter dado sorte.
Como assim?
De várias maneiras, tipo…
vê aquilo?
Foi o bebê do meu pai por anos.
Dias atrás, ele me deu as chaves.
– Generosidade de espírito.
– A base do amor, cara.
Melhor pai da história.
Pai da porra de ano.
Tenho que voltar ao trabalho.
Pai não gosta de mãos ociosas.
Ei, Nikki.
Lembra de mim?
– Aquela policial
– Detetive.
Aquela que você atirou.
Jesus Cristo!
Lá vamos nós.
Disse ao seu chefe
tudo o que sei.
Agora você dirá a mim.
– Só que dessa vez será a verdade.
– Eu sempre digo ela.
Então venha aqui,
fale na minha cara.
Isso é estúpido pra caralho.
Mais perto,
para ver seus olhos.
Na noite que
você foi baleada,
eu estava em um
hotel com Johnny.
– Mentira.
– Nós usamos metanfetamina…
Assistimos um pornô,
fodemos e…
Assistimos desenhos
a noite toda.
– O que quer?
– Sua mentirosa.
Não importa quantas vezes perguntar,
não irá mudar.
Não atirei em você, certo?
Não matei aquele velho.
Porra!
Jesus Cristo!
Eu direi que te vi.
Pessoas são roubadas todo dia.
Talvez outra pessoa
queria vocês mortos.
Como quem?
Como quem?
Caralho! Você é uma policial,
pelo amor de Deus!
Irrita gente
como meio de vida!
– Vá se foder!
– Foda-se você!
Você está me machucando!
Você está!
Acha que isso machuca?
Tente ver o homem que você ama
morrer bem na sua frente
e não poder fazer nada.
É mesmo…
Você atirou no seu namorado.
Seu pedaço nojento de merda!
Eu matei o Johnny, eu sei.
Eu matei…
Sinto falta dele, eu sei…
Se você… disser que me viu
matando Frank Lundy,
então você é uma mentirosa!
Uma mentirosa!
Quero ser transferida
de Homicídios.
Sempre procurando
por algo melhor, tenente?
– Não estamos todos?
– Sim.
Me faria bem uma mudança
de cenário.
Estou pensando em…
intermediária com a imprensa.
Bem, R.P. podem certamente usar
suas habilidades políticas.
E o Sargento Batista
pode continuar em Homicídios.
Bem, deixe-me pensar.
Nós sabemos que você não é
Não parecia
ser um problema antes.
Te avisarei quando decidir.
Diga-me que é o último saco
do seu apartamento.
Não é do meu apartamento, mas…
Rita, espere, espere…
Uma surpresa para você,
por tudo que você é.
Impossível!
Um Nintendo DS?
Sei que não é um iPod, mas…
Um mini DVD player?
Isso é demais!
Para o Harrison.
E para minha
amada esposa…
Uma máquina de pães?
Estamos sempre sem pão.
Estamos também sem leite,
comprou uma vaca?
– Muito obrigado!
– É incrível!
– Obrigada, Dexter.
– De nada!
– O que, não gostou dos presentes?
– Fico feliz por tentar, mesmo.
Mas não precisamos
de presentes.
Precisamos de você.
Para fazer o quê?
Converse comigo.
As pessoas fazem isso?
Dizem o que estão pensando?
Em voz alta?
– O quão difícil pode ser?
– Estou tentando.
Tente mais na terapia.
Vou adiantar a próxima sessão.
– Qual a ocasião?
– Tenho boas notícias.
Quer adivinhar?
Você está pelada
e eu vou poder ver?
Adivinhe o que
precisa fazer.
Certo, agora estou tendo
pensamentos sujos.
Você vai poder ficar
na Homicídios.
– Jura?
– Sim.
Conversei com o chefe de polícia e
disse que não podemos te perder.
E eu também não posso.
Você…
incrível!
Então ele está de acordo
em nós ficarmos?
Bem, podemos
falar da logística depois.
Você se ofereceu pra sair.
– Angel, faz mais sentido.
– Está estragando tudo.
Você é linda, mas está errada
e não vou deixar fazer isso.
Bem, não vou deixar
você sair da Homicídios.
Você ama isso.
Se sair, você não será você.
Ao menos não aquele com
quem eu quero ficar.
O que vamos fazer?
Eu não sei.
Devemos decidir
o que é mais importante.
Nós ou o trabalho.
Merda.
Merda define.
Esse é Arthur Mitchell
em seu núcleo.
Será que tem algo em seu DNA
que o deixa manter uma família?
Algum gene mágico
que não tenho?
Procurando algo?
Está na minha área,
garoto do sangue.
Só estou curioso.
Então estará interessado
que o DNA mitocondrial…
Fêmea.
Então mãe, filha,
irmã…
Pode até ter manchado
a parede com a avó.
Provavelmente bateu
com as cinzas.
Por que ele faria isso?
Por que não faria?
Porque ela é importante
para ele.
Cara, que piada.
A história deles
o transformou no que ele é.
Como minha mãe que me amamentou
até os 6 e hoje não nos damos.
Tenente.
É um martelo de aço
de meio quilo.
– Como?
– A arma do caso do banho de sangue.
Fiz uma pesquisa
independente.
– Atualizei meu relatório.
– Certo, certo.
– Obrigada.
– Na verdade,
acabei meu trabalho
por hoje.
Se não tiver problema, tenho
uns assuntos pessoais a tratar.
Cuide de seus assuntos,
Dexter.
Cuide muito bem.
Com certeza tentarei.
Sabe que essas coisas
nunca pioram.
Bem, diga-me sobre. Os tenho
desde que sou iniciante.
Então…
Nunca mais ouvi você falar
sobre ter sido testemunha.
Quer dizer que mudou
de ideia?
Só porque Nikki era uma merda
e meu pai era um mentiroso,
não quer dizer
que devo ser.
Obrigada por falar algo
com sentido para mim.
Só estou preocupado
com minha parceira.
O que é tudo isso?
Acho que talvez Nikki Wald
tenha dito a verdade.
Desde quando?
Desde que falei
com ela.
Espera, você o quê?
Tenho verificado tudo
que coletou do hotel do Lundy.
Seus objetos pessoais.
O negócio é o seguinte.
Está faltando algo.
Não mesmo. Foi tudo registrado.
Por mim.
Lundy pesquisou livros sobre
o serial killer que estava caçando.
E as fitas de áudio.
Eu as vi no quarto dele.
Ainda está amarrada nisso,
Não quero falar mal,
mas o cara estava caçando
um fantasma.
Acho que esse fantasma
roubou os livros dele.
Precisa parar.
Está se enlouquecendo.
Estou te dizendo,
alguém pegou as coisas do Lundy.
E estou te dizendo,
precisa deixar
isso de lado.
Olha,
sei que está cansada.
– Por que não vai pra casa…
– E o quê?
Pinto as porras das unhas?
Estou cheia de ouvir isso,
Quinn.
Então acho
que não falarei mais.
Não estou mais vendo
a Tenente Laguerta.
Digo,
a vejo todos os dias,
mas…
Nos separamos.
– Oficialmente.
– E permanentemente.
Tem certeza?
Porque, francamente,
estou farto de vai-e-vem.
Peço desculpas
pelo inconveniente.
Isso é besteira de colégio,
Tenente.
Não quero ter
essa conversa de novo.
Não precisará.
Assinamos um certificado
para tornar oficial.
Nosso relacionamento não afetará
nenhuma investigação,
e o departamento não será
responsável por nenhuma perda.
Bem, pelo menos é algo.
Só pra constar, nenhum de nós
foi sexualmente molestado.
Sim, todos os avanços
foram bem-vindos.
Não foi e nem se tornará
um ambiente de trabalho hostil.
Então está feito.
Nós ficaremos na Homicídios.
Deixe-me ser claro.
Os documentos que estão
preenchendo são sérios.
Se eu descobrir que é mentira,
haverá consequências.
Consequências sérias
para fim de carreira.
Não, Angel.
– Acabou.
– Certo.
Desculpa.
Devo voltar ao trabalho.
Esse é o último. Minha última
coisa do passageiro obscuro
e a razão de não sair
do meu apartamento.
Se eu não descobrir
como esconder isso,
vou perder minha família.
Trinity tem a resposta.
Ele manteve a família por perto.
Mesmo após a morte.
Quem você perdeu, Arthur?
SOBREVIVEU ARTHUR MITCHELL,
FLÓRIDA, OBITUÁRIOS. 1949-1969.
1959.
16.
Vera Mitchell.
Irmã de Arthur Mitchell.
Encontrada morta em uma…
Banheira.
Marsha Mitchell.
1961.
40.
Morreu ao se jogar
da Ponte do canal Collins.
Henry Mitchell.
1964.
45.
Morreu num beco por
ferida fatal na cabeça.
Irmã, mãe, pai.
Ele está recriando
suas mortes.
Década após década.
Ciclos de três.
Assisti minha mãe ser serrada
em pedaços.
E agora eu corto pessoas.
Nós dois temos esqueletos.
O que significa que
nós dois arranjamos
um armário para escondê-los.
Arthur tem um armário.
Sei quase tudo sobre você, Arthur,
a não ser onde você se esconde.
Pronto ou não,
aqui vou eu.
Meu Deus, Kyle,
você está bem?
Me cortei na construção, não
achei que fosse grande coisa
mas não pára de sangrar.
Em plena vista. Deve haver mais
que ele está escondendo lá dentro.
Entre, temos um kit de
primeiros-socorros na casa.
Desculpe…
nada de botas
dentro de casa.
Vou pegar o kit.
Sinta-se em casa.
Pode deixar, eu vou.
Brega, mas normal.
Os segredos dele devem
estar bem guardados.
Não é a roupa suja que
eu estava procurando.
Merda.
Arthur tem um lugar para
colocar o abajur dele.
As datas e locais
dos livros do Lundy.
Arthur tem usado as construções
do Quatro Paredes por todo o país
como uma desculpa para matar.
E estes são seus troféus.
Pendurados aqui na parede assim
como seu martelo na garagem.
As lâminas de sangue dele.
Ele não precisa de um
apartamento secreto.
Ele está se escondendo em plena
vista no centro da sua família.
Sou eu quem está se
ocultando nas sombras.
E aqui está ela,
o Passageiro Sombrio de Arthur.
Sua irmã Vera.
O tanque está baixo, mas também
ela está na estrada há 30 anos.
Se esconder em
plena vista é uma coisa,
mas este é o seu ponto fraco.
O que acontece quando é exposto?
Saia, saia,
quem quer que você seja.
Certo, vamos dar uma
olhada nessa mão.
Não…
encoste…
na minha irmã.
Desculpe, eu não sabia!
Não consigo respirar.
Desculpe.
Me perdoe, sinto muito.
Arthur, o que diabos foi isso?
Isto é…
minha irmã.
Ela morreu quando
eu era jovem.
Foi muito doloroso para mim.
Eu entendo.
Perdi pessoas também.
Vá em frente, sente-se.
Se as cinzas te incomodam
tanto, por que você…
as mantém expostas?
Porque ela é uma
parte de mim, Kyle.
Ajudou a fazer de mim
quem eu sou.
Mas se a sua família alguma vez
te visse tão perturbado…
Eles entenderiam.
Este é o meu lar.
Posso ser eu mesmo aqui.
Você faz parecer fácil.
Eu costumava afastar as pessoas
por causa do meu passado.
Até perdi um
relacionamento por isso.
Como você.
Mas você mudou.
Sim, conheci Sally,
tive meus filhos…
e então percebi…
que a única maneira que
iria funcionar seria…
se eu pulasse para dentro
com os dois pés.
Pular para dentro
com os dois pés.
Isso salvou sua família?
Kyle…
minha família me salvou.
Espere.
Quero te dar uma coisa.
Para a próxima construção.
Achei que você deveria ter
suas próprias ferramentas.
É o mínimo que posso fazer.
Obrigado.
Por me dar a
sua arma do crime.
Vejo você na próxima
construção.
Não perderia.
Quero ser parte
dessa família.
E eu sei que tenho que pular
para dentro com os dois pés.
– Estou feliz, mas…
– Quero deixar você entrar.
Mas honestamente,
eu não sei…
como.
Nunca aprendi.
É claro que você não aprendeu.
Sem a sua mãe, e…
O que aconteceu
com a mãe dele?
Ela foi assassinada
na frente dele.
Nossa, isso é…
É uma grande história.
E moldou quem eu sou.
Mas eu quero mudar.
Deixe-me fazer uma pergunta
para você, Dexter.
E gostaria que você
fosse honesto.
Vou tentar.
Você diria que tem medo de deixar
Rita ficar próxima de você?
– Sim.
– Por quê?
Por causa do meu passado.
Você tem medo
que ela vá abandoná-lo?
Mas a Rita não é sua mãe.
Não, com certeza não.
Mas se ela…
me vir como
realmente sou…
O que então? Você acha
que eu iria embora?
Sim, absolutamente.
Então você tem uma coisa
a aprender sobre mim.
Me casei porque eu quero
conhecer o verdadeiro você.
É o que eu tenho
tentado te dizer.
Dexter, diga a
verdade para Rita.
Por que você manteve
o seu apartamento?
Porque…
eu preciso de espaço.
Para guardar minhas coisas.
Temos uma casa com
espaço suficiente.
Acho que o que Dexter
quis dizer é que ele
precisa de espaço
para ele mesmo.
– No casamento…
– Certo, isso.
Mas eu realmente preciso de um
lugar para guardar minhas coisas.
Claro.
Vou te dar espaço.
– Você vai?
– Sim.
Viu o que acontece
quando você é honesto?
Você consegue
o que você precisa.
Sei que você está aqui.
Você sempre me pega.
Se importa se me juntar a você?
Olhe como você é linda.
Nunca me canso
de escutar isso.
– Você parece melhor.
– Me sinto melhor.
Sabe por quê?
Nikki Wald não matou Lundy.
– Como sabe disso?
– Porque alguém roubou a pesquisa
do Lundy sobre Trinity.
Eu.
E só existe uma única pessoa
com uma razão para isso.
Eu?
Trinity.
Você está brincando.
Ele deve ter notado que Lundy
estava chegando perto.
Pense nisso.
Aquele artigo no jornal.
Talvez ele até tenha visto
Lundy de tocaia
naquele prédio comercial.
Pode ser…
Ele matou Lundy,
atirou em mim,
e roubou os livros do Lundy
para tirar o dele da reta.
Não exatamente, mas você estava
indo bem por um tempo.
Sabe quanto incrível isso é?
Significa que aquele boqueteiro
ainda está lá fora em algum lugar
e não vou ter que esperar
outra pessoa cuidar disso.
Eu posso pegá-lo.
Agora tenho que me preocupar com
você entrando no radar do Trinity.
Você contou para LaGuerta
a sua teoria?
Ainda não. Quero ter certeza
que eu tenho um caso antes,
– não quero pisar no meu pau.
– Não, com certeza não.
Preciso ir para a delegacia.
Muito trabalho para fazer.
Aliás…
acho que sei quem o
papai estava comendo.
O quê? Espere, quem?
Te conto quando
eu souber mais.
Não quero pisar no meu
pau com isso também.
Então, você está pronto?
Nasci do lodo primordial.
Rastejei para fora do sangue
da minha própria mãe.
Me escondi entre os humanos
esperando não ser visto.
Mas em algum ponto do caminho
eu criei pernas, fiquei de pé.
– Pode me dar uma mão?
– Com certeza.
Então, o que você acha?
É muito apertado?
É perfeito.
Obrigado.
Me tornei um marido,
um pai.
Tive que evoluir,
era a única forma de sobreviver.
Tenho mais uma coisa
que quero te dar.
Ser eu mesmo na frente
da minha família
vai demorar para acostumar,
mas o Arthur estava certo.
Faz eu me sentir…
bem.
Achei.
Cadeado?
Para a porta,
para mantê-la trancada.

Get Adobe Flash player

Comments are closed.